Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Ophélia Guimarães

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Publicado: Quarta, 09 de Setembro de 2020, 17h59 | Última atualização em Segunda, 09 de Novembro de 2020, 12h29 | Acessos: 404

A primeira mulher a dirigir o IBC foi a engenheira e psiquiatra Ophélia Guimarães, estudiosa das questões neurológicas ligadas à pedagogia.  Era também servidora do MEC, onde trabalhou como assistente da Direção de Ensino Secundário.

Ficou menos de dois anos no cargo.  Durante sua gestão foram criadas as Seções de Cursos e de Radiodifusão, esta última subordinada ao Curso Profissional. 

Foram regulamentados também os cursos de formação de professores e o de inspetores de alunos.  Contando com a coorperação do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP), os cursos são abertos a professores de todas as regiões do Brasil com o objetivo de formar multiplicadores dos conhecimentos passados na formação sobre a educação de pessoas com deficiência visual. 

Em 1953 é fundado o Grêmio Estudantil Benjamin Constant, sendo o seu primeiro presidente o aluno Jessé Ambrósio dos Santos. 

Foi na sua gestão que o Parecer do Conselho Nacional de Educaão, exarado no Processo de Nº 11.580/52, autorizou o ingresso de estudantes cegos no ensino superior, recomendando que os exames vestibulares e as provas, durante o ano letivo fossem feitos em máquinas de datilografia.  Edison Ribeiro Lemos,  ex-aluno do ginásio do IBC e um dos três cegos a concluir o ensino médio no Brasil, ingressa então no curso de Geografia e História da Universidade Federal Fluminense, concluindo-o com êxito em 1956, como o primeiro cego a cursar o ensino superior no Brasil.

Outro fato histórico ocorrido na curta gestão da diretora foi a visita ao IBC de uma das personalidades mais eminentes do mundo na época, a escritora surdocega Helen Adams Keller.  No dia 4 de maio de 1953 ela fez uma conferência no auditório do Instituto, com tradução simultânea do prof. José Espínola Veiga.

Em 25 de novembro,  Ophélia Guimarães deixou o cargo a pedido, segundo ela por problemas de saúde, sendo substituída por Henrique Fraenkel Beviláqua.

 

 

Fim do conteúdo da página