Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Notícias

Revisores do IBC colaboram com projeto finalista da etapa nacional da First Lego League

O projeto Sistema Inteligente de Mobilidade (SIM) foi desenvolvido por alunos do Colégio Franco-Brasileiro e vai disputar a vaga na etapa internacional na próxima sexta-feira (6) .

  • Publicado: Quarta, 04 de Março de 2020, 14h26
  • Última atualização em Quarta, 04 de Março de 2020, 14h44
  • Acessos: 811
imagem sem descrição.

A First Lego League é uma competição de robótica de nível internacional, criada em 2008, para despertar o interesse de estudantes de 9 a 16 anos pela pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias que solucionem os problemas do dia a dia da sociedade moderna.    A cada temporada os competidores são estimulados a refletir sobre um problema diferente e propor soluções para ele,  além de construir e programar um robô para realizar missões em uma mesa de competição para ganhar pontos.

Nesta 12ª edição, batizada de City Shaper (Modelador de Cidades), o desafio dos competidores foi desenvolver projetos para tornar suas cidades mais inteligentes e amigáveis a seus moradores.  Foi pensando nas dificuldades encontradas pelos cegos que se deslocam de ônibus pelo Rio de Janeiro que os alunos do Colégio Franco-Brasileiro que fazem parte da equipe FrancoDroid (foto abaixo do texto) desenvolveram o S.I.M (Sistema Inteligente de Mobilidade), vencedor da etapa sudeste da competição, realizada nos dias 14 e 15 de fevereiro. 

phontoO sistema é composto de um aparelho que fica ao redor do ouvido, equipado com uma bússola conectada ao celular (foto ao lado), permitindo que o usuário continue se atentando às informações e aos sons exteriores, enquanto interage com o programa desenvolvido pelos próprios alunos. 

"Esse programa guia o usuário em todo o processo de pegar o ônibus, informando através de mensagens sonoras desde o caminho para o ponto até o momento de chegada do transporte e a direção para qual está a porta para que o deficiente visual suba sem dificuldades, além de avisar o momento exato da descida no local de destino", explica Daniel Gudin, um dos oito integrantes da equipe. 

Para criarem o projeto, os oito estudantes procuraram a ajuda de quatro jovens profissionais cegos do Instituto Benjamin Constant, que circulam pela cidade sozinhos e familiaridade com tecnologias assistivas e que, por isso,  têm o perfil de prováveis usuários do Sistema.

Os revisores da Imprensa Braille Carolina Herdy, Natália Medeiros, Abel Ricardo e Sebastiana Ramos atuaram como consultores dos estudantes, opinando sobre o que funciona ou não em aplicativos dedicados à oferecer autonomia a pessoas cegas e as maiores dificuldades enfrentadas hoje por este público na capital fluminense.   "Graças a essa importante consultoria, conseguimos tornar nosso projeto mais eficiente para atender às demandas desses cidadãos que ainda encontram tantas barreiras  para exercer o direito de ir e vir aqui no Rio", completou Daniel.

Os quatro consultores do IBC disseram estar muito contentes com a notícia da classificação do projeto para a final e satisfeitos por terem ajudado na concepção de um produto voltado a resolver um dos piores problemas que o cego enfrenta quando precisa se deslocar sozinho.    "Foi muito legal contribuir para esse projeto e ver adolescentes comprometidos em formar uma sociedade melhor", disse Natália.  "Foi muito gratificante participar do projeto e eu fico muito agradecida à equipe por se interessar pelas questões ligadas à deficiência visual e pela oportunidade de ter contribuído com eles", completou a colega Carolina.  

 No momento,  Daniel e seus colegas da FrancoDroid estão totalmente focados na competição da próxima sexta-feira e que pode qualificá-los para cinco competições internacionais nos Estados Unidos, Grécia, Austrália e no próprio Rio de Janeiro ainda neste ano.    Além do SIM, a equipe vai participar com o robô construído especialmente para a competição e que obteve um desempenho considerado muito bom na etapa sudeste — 415 pontos nos rounds oficiais e 485 pontos nas finais da mesa.  O desafio é grande.  Eles vão concorrer com mais de mil estudantes de escolas públicas,  particulares e da rede Sesi de 22 estados brasileiros e do Distrito Federal. 

 

Equipe FrancoDroid:

  • Integrantes: 
    Ana Clara Teixeira
    Daniel Gudin
    Gabriel Florencio
    Giulia Orlandi
    Helena Marques
    Maria Antonia Picanço
    Sophia Dahmouche

  • Mentores 
    Daniel Pedro 
    Diogo Barreiros 
    Gabriel Raposo

  • Tutora
    Kátia Abrantes

  • Técnicos 
    Rosangela Nezi
    Karolina Abrantes 
    Philipe Moura

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página