Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Notícias

IBC promove palestra sobre deficiência múltipla

Organizada pelo setor de Atendimento Especializado em Deficiência Múltipla (AE-DMU) do Departamento de Educação (DED) a palestra foi ministrada pela professora Márcia Denise Pletsch da UFRRJ.

  • Publicado: Sexta, 11 de Outubro de 2019, 16h14
  • Última atualização em Quarta, 16 de Outubro de 2019, 15h26
  • Acessos: 652
imagem sem descrição.

A professora Renata Martins de Oliveira, responsável pelo AE-DMU, mediou o "4º Seminário Pensando a Deficiência Múltipla na Inclusão: a educação especial e a inclusão de alunos com deficiência múltipla" que aconteceu na última quarta-feira (9) no Teatro Benjamin Constant. A palestra aberta ao público em geral atraiu uma plateia de 70 pessoas formada por profissionais do IBC e de outras instituições, universitários e pais de alunos com deficiência múltipla.

A convidada que atua em programas de pós-graduação em Educação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e coordena o Grupo de Pesquisa Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional (ObEE) abordou em sua fala a apropriação dos conhecimentos escolares e os impactos da aprendizagem, ou a falta dela, no desenvolvimento geral do aluno e quais os suportes escolares necessários para que a escolarização aconteça.

palestradmu1O evento contou com as presenças do diretor do DED Luigi Amorim, na foto ao lado com Márcia Pletsch, Renata Oliveira, as professoras do IBC Bárbara Wepler e Maria Fortes (à esquerda) e Ivan Finamore Araújo, diretor substituto do DED (à direita). 

Um alerta sobre o Zika Vírus

Márcia Pletsch elogiou o IBC pelo espaço de troca de informações sobre um tema tão "instigante e necessitado de pesquisas".  Outra informação da pesquisadora é que o Estado do Rio de Janeiro é o segundo do Brasil com maior número de crianças com microcefalia em consequência do Zika Vírus, o que é um sinal de alerta aos profissionais, pois são registrados, cada vez mais, casos de crianças que tiveram contato com o vírus na gestação e nasceram sem microcefalia, mas os problemas neurológicos com déficit intelectual foram verificados mais adiante, o que implicaria na necessidade de identificar estas crianças e dedicar um olhar mais atento para uma intervenção precoce.   

palestradmu3 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página